quarta-feira, 11 de janeiro de 2012

Fan Fic - Marcela e Marina (Amor e Revolução) - PARTE 7

• Para quem não leu as outras partes: Parte 1 Parte 2 Parte 3 Parte 4 Parte 5 Parte 6

Alguns dias depois...

No jornal...

Marcela aproxima-se de Marta.

- Martinha, preciso de sua ajuda... – Diz Marcela.

- Claro, se estiver ao meu alcance... – Diz Marta.

- É que eu preciso ver o vestido de casamento, mas a Marina não quer ver comigo pois acha que trará má sorte ver o vestido antes do casamento... – Diz Marcela, sorrindo.

- Ah... É isso? Claro, Marcela, pode deixar. Quando você gostaria de ir? – Diz Marta.

- Ah, se possível, hoje... Pois a loja fica aberta até mais tarde nas sextas por causa do final de semana, e é justamente o dia em que saímos mais cedo, então seria melhor... Além do mais, estou te devendo um jantar, poderíamos ir a um restaurante depois... Que tal? – Diz Marcela.

- Claro! Então quando acabar o expediente, vamos juntas, tudo bem? – Diz Marta.

- Perfeito! – Diz Marcela, retornando ao seu trabalho.

Algumas horas mais tarde...

- Meu anjo, vamos? – Diz Marcela à Marta.

- Claro, já estou pronta. – Diz Marta.

- Eu também. Só vou ali na sala da Marina rapidamente e vamos, tudo bem? – Diz Marcela.

- Sem problemas, estarei aqui lhe esperando. – Diz Marta, sem jeito.

Marcela encaminha-se até a sala de Marina.

- Oi, meu amor... – Diz Marcela.

- Oi... Já vai pra casa? – Diz Marina.

- Não, vou ver o vestido, lembra? – Diz Marcela.

- Ah, tá... Verdade... Desculpa, é que eu tô com a cabeça meio cheia, houve muito trabalho hoje por aqui... – Diz Marina.

- Tem certeza que é só isso mesmo? – Diz Marcela.

- Tenho sim, meu amor. – Diz Marina.

- E o meu beijo, cadê? – Diz Marcela.

- Vem cá, vem... – Diz Marina.

As duas se beijam, e Marcela se despede de Marina, seguindo em direção à sua sala. Marcela e Marta seguem em direção ao carro de Marcela, e as duas seguem em direção à loja de vestidos de noiva.

No loja...

As duas entram na loja e a vendedora as atende.

- Qual é a noiva de vocês duas? – Pergunta a vendedora.

- Sou eu. – Diz Marcela, sorridente.

- Eu sou apenas uma amiga, vim acompanhá-la. – Diz Marta.

- Ah, é sempre bom ter uma amiga para ajudar, fez muito bem em trazê-la. – Diz a vendedora à Marcela, olhando fixamente para Marta.

- É impressão minha ou essa vendedora está dando em cima de você? – Diz Marcela, cochichando com Marta e sorrindo.

- Deixa de bobagem, ela só quis ser gentil. – Diz Marta, sorrindo, constrangida.

- Sei... – Diz Marcela, fazendo Marta sorrir ainda mais.

A vendedora traz alguns modelos de vestidos para Marcela experimentar, e Marcela analisa um por um.

- Ai, eu acho que vou provar esses 7! – Diz Marcela, rindo.

- Mas que indecisa! Precisa provar tudo isso pra escolher? – Diz Marta, sorrindo.

- Eu entendo a sua amiga... Casamento é realmente muito especial, e precisamos ter certeza do vestido de noiva que queremos, para que fique tudo o mais próximo do perfeito possível... Eu, quando me casar, experimentarei todos os vestidos que encontrar para ver qual terá o melhor caimento... E você, não pretende ser assim quando se casar? – Diz a vendedora, olhando para Marta.

- Não... Eu acho que só de ter aquela pessoa especial ao meu lado, será o bastante. – Diz Marta, enquanto Marcela observa a cena, sorridente.

- Nossa, sua amiga é romântica, dona... Como é mesmo o seu nome? – Diz a vendedora à Marcela.

- Marcela. – Diz Marcela, sorrindo da situação.

- Pois é, Marcela... Que amiga romântica que você tem. Linda e romântica, que raridade encontrar alguém assim. – Diz a vendedora, deixando Marta envergonhada e divertindo Marcela, que tenta apoiar a amiga para que faça algo a respeito.

- Vamos lá no provador, Marcela, eu te ajudo a colocar os vestidos... – Diz Marta, tentando acabar com o flerte da vendedora.

- Calma, Martinha... Ainda temos tempo. – Diz Marcela, encorajando-a.

- Mas vamos jantar, esqueceu? – Diz Marta.

- Ah, é mesmo... Tudo bem... Mas me diga, qual é o seu nome? – Diz Marcela à vendedora.

- Bianca... Mas podem me chamar de Bia. Vejo que sua amiga não gostou muito do que eu disse, me desculpe se estiver sendo inconveniente... Podem me chamar quando quiserem. – Diz a vendedora.

- Pode deixar, Bia. – Diz Marcela, seguindo com Marta em direção ao provador.

- Martinha, o que deu em você? Está na cara que essa moça está interessada em você... E é bonita, viu?! Por que não aproveita? – Diz Marcela.

- Porque não. Me deixa, Marcela, poxa... Não quero e tenho meus motivos. – Diz Marta.

- Ai, não! Já sei! Que cabeça a minha... Você está saindo com aquela garota que me disse... E eu forçando você a sair com essa outra... Perdão, Martinha... Que cabeça a minha! Tá na cara que você está gostando dessa outra menina e eu lhe perturbando a vida, me desculpe, de coração... Vou provar os vestidos e parar de me intrometer na sua vida. – Diz Marcela.

- É bom mesmo... – Diz Marta, sorrindo.

- Vou começar com este... – Diz Marcela.

- Tudo bem, eu vou esperar lá fora e você me chama... – Diz Marta.

- Como assim? Esses vestidos são dificílimos de colocar. Você não vai me ajudar? – Diz Marcela.

- É claro... Tudo bem, eu lhe ajudo. – Diz Marta, sem jeito.

Marcela retira sua blusa e sua saia e, com a ajuda de Marta, coloca o primeiro vestido, e assim segue experimentando um por um. Após chegar no sexto vestido, Marta olha para Marcela emocionada.

- E este, que tal? – Diz Marcela.

- Marcelinha, é esse! Não precisa nem experimentar o outro, tem que ser esse! – Diz Marta.

- Você gostou tanto assim? – Diz Marcela.

- Eu amei! Ele é a sua cara, ficou maravilhoso em você... Nossa... – Diz Marta, lagrimando.

- Meu Deus! O que houve, Martinha, por que está chorando? – Diz Marcela.

- Eu tô emocionada, só isso... Você tá linda, já imaginei você entrando no altar... – Diz Marta.

- Oh, minha querida... Tão linda, você... Vem cá, me dá um abraço... Minha madrinha é tão emotiva... – Diz Marcela.

- Madrinha? – Diz Marta, desprendendo-se dos braços de Marcela e a olhando carinhosamente, enquanto enxuga suas lágrimas.

- É claro... Quem mais poderia ser a madrinha do meu casamento? Só você, Martinha. Você que sempre me deu forças, ninguém merece esse título mais que você! – Diz Marcela.

- Ah, você não vai parar de me fazer chorar nunca, não é? – Diz Marta, enquanto Marcela sorri.

Marcela pede à Marta que guarde o seu vestido em sua casa, e ela não hesita em ajudá-la. Marcela paga o vestido e a vendedora Bianca acena timidamente para Marta, enquanto Marcela sorri. Marcela e Marcela seguem em direção ao restaurante escolhido por Marta.

*******

Alguns minutos depois...

No restaurante...

O garçom as recebe e sugere uma mesa que está desocupada, e as duas acompanham o garçom e, após olharem o cardápio com calma, realizam os seus pedidos.

- Martinha... Eu lembro bem desse restaurante, foi um dos primeiros em que viemos, não foi? Aliás... Acho que foi o restaurante em que comemoramos o nosso primeiro aniversário de namoro. – Diz Marcela.

- Pois é... Achei que nunca mais viríamos aqui, mas aqui estamos. – Diz Marta.

- Poxa, mas por que pensou isso? Você sabe que eu não conseguiria viver sem você... Você é muito importante pra mim, mocinha. – Diz Marcela, sorrindo.

-  Você também é muito importante pra mim. – Diz Marta, retribuindo o sorriso de Marcela.

- E foi por isso que escolhi você pra ser madrinha do meu casamento. – Diz Marcela, deixando Marta sem sem jeito.

- Mas me diga... Como estão as coisas com a Marina? Como ela está reagindo a tudo isso? – Diz Marta.

- Pra te falar a verdade, eu ando meio preocupada com ela... Depois da história que aconteceu no restaurante, aquela que eu te contei outro dia em que eu a beijei na frente de várias pessoas, ela ficou com um aspecto um pouco preocupado... Eu tenho medo de que ela desista no meio do caminho, com medo da reprovação dos outros. – Diz Marcela, preocupada.

- Calma... Acho muito improvável isso acontecer. A Marina já fez o mais importante que foi se declarar na frente de todos no jornal, os outros que ela nem conhece serão o de menos... – Diz Marta.

- Assim espero, Martinha, assim espero. – Diz Marcela, enquanto o Garçom chega com os pedidos e as serve.

- Mas me conte de você, como anda o namoro com aquela garota que você conheceu? – Diz Marcela, entusiasmada.

- Na verdade, nós terminamos. – Diz Marta.

- Nossa, mas por quê? Achei que você não queria nada com a vendedora por causa dessa menina... – Diz Marcela.

- Não... Não tem nada a ver, é que eu quero ficar sozinha mesmo. Dar um tempo de namoro, pensar mais em mim, sabe? Acho que as minhas tentativas frustradas de relacionamento amoroso estavam querendo me mostrar que ainda não é a hora pra isso... Talvez eu tenha que viver mais para poder me dedicar a alguém e, principalmente, encontrar a pessoa que mereça essa dedicação, de preferência que ela não goste de ninguém... – Diz Marta, olhando sem jeito à Marcela.

- De qualquer forma, eu quero ver você feliz... Se ainda não é o momento, eu te apoio. Apoio você no que for! Só te peço uma coisa... – Diz Marcela.

- Fala... – Diz Marta, olhando carinhosamente para Marcela.

- Que você me convide para ser madrinha do seu casamento! Não aceito “não” como resposta! – Diz Marcela, fazendo Marta sorrir.

- Sua boba... É claro. Você não tem ideia do quanto é especial na minha vida. – Diz Marta.

- Você também, minha amiga. Você também. – Diz Marcela.

*******

No dia seguinte...

No jornal... 

Marcela está na sala de Marina conversando sobre assuntos profissionais, quando Marcela percebe um semblante preocupado em Marina.

- Marina... Você está tão estranha, diferente... Não sei bem o que é, aliás, eu acho que sei... – Diz Marcela.

- Ah, meu amor, não pense bobagens, eu estou bem. – Diz Marina.

- Foi a cena que aconteceu no dia do restaurante, não foi? – Diz Marcela.

- Como assim? – Diz Marina.

- Desde aquele dia você anda pensativa... Você está com medo da opinião dos outros sobre nós, do que enfrentará ainda de preconceito por ser casada com uma outra mulher, não é? – Diz Marcela.

- É difícil, Marcela, pra te falar a verdade... Mas eu vou superar isso tudo, o importante é ter você ao meu lado, como eu sempre digo. Não fique preocupada com isso, logo eu me acostumarei e não me importarei mais. – Diz Marina, com um sorriso forçado.

- Você não tá pensando em desistir de tudo, né, Marina? – Diz Marcela.

- Claro que não, meu amor! Tire isso da sua cabeça. Jamais faria isso! Eu te amo, vem cá! – Diz Marina, enquanto Marcela se aproxima.

As duas se beijam e Marina abraça Marcela carinhosamente, confortando-a, e, ainda abraçadas, Marina diz à Marcela que nunca a deixará. Após alguns minutos, Marcela sai da sala de Marina.

********

Alguns dias depois...

Na casa de Marcela, à noite...

Marina chega até a casa de Marcela levando Matheus no colo. Marcela abre a porta e se surpreende com os dois.

- Ai, que lindos da minha vida! Meus maiores amores me visitando! – Diz Marcela.

- Mas é claro... O Matheus sentiu saudades da segunda mamãe dele... – Diz Marina, sorrindo.

Os dois entram na casa de Marcela. Marina pede para Marcela segurar Matheus enquanto ela troca de roupa, e as duas se beijam rapidamente. Marina liga a televisão e assiste a um desenho animado com Matheus no colo, enquanto Marcela prepara a mamadeira. Os três assistem à televisão, felizes.

*******

No dia seguinte...

Marina está se arrumando para ir à sua casa.

- Meu amor, espera mais um pouco e eu te levo... – Diz Marcela.

- Já chamei um motorista, meu amor, e também tenho que chegar mais cedo em casa para depois ir ao jornal, pois a babá do Matheus já deve estar para chegar... – Diz Marina.

- Ah, é mesmo... Tudo bem, meu amor... – Diz Marcela, enquanto beija Marina, despedindo-se, e depois beija a cabecinha de Matheus.

Após sair da casa de Marcela, Marina segue em direção ao elevador e, ao descer a escada próxima à saída do prédio, uma senhora passa por ela conversando com outra senhora.

- Você viu aquela loirinha do apartamento de cima recebendo sempre a mesma amiga? Acho isso tão estranho... – Diz a primeira senhora.

- Você não sabe? – Diz a segunda senhora, enquanto Marina presta atenção na conversa, por desconfiar que se tratava de Marcela.

- Sei do quê? – Indaga a primeira senhora, curiosa.

- Aquela loirinha é "sapata"... Tem um caso com uma mulher, e me disseram que é até patroa dela... – Diz a segunda senhora, satisfazendo a curiosidade da primeira.

- Nossa! Que pouca vergonha! Onde vamos parar, não é, Cláudia? Acho que isso é coisa do “lá de baixo”... Cruz credo! – Diz a primeira senhora.

- Se é, eu não sei, mas coisa boa é que não é... Deus me livre... Isso é falta de homem, só pode... – Diz a segunda senhora.

- É mesmo... Acho que esse tipo de gente não deveria conviver com pessoas de bem... Esse é um prédio de família. Se quer fazer suas “sem-vergonhices”, que faça em outro lugar... – Diz a primeira senhora, enquanto Marina passa pelas duas em direção à saída para esperar o motorista, com os olhos marejados.

O motorista chega e leva Marina à sua casa, que está em prantos. Ao chegar em casa, encontra a babá de Matheus, que a esperava na portaria de seu prédio. Posteriormente, segue ao jornal, já mais calma.

Ao chegar no jornal, Marina encontra Marcela, que havia acabado de chegar também, e a abraça forte. Marcela não compreende bem o visível desespero de Marina e pergunta se aconteceu algo, e Marina prefere omitir para não deixar Marcela chateada, afinal, a principal ofendida teria sido ela.

Algumas hora depois...

Marcela entra na sala de Marina para saber se está tudo bem. Marina afirma que não há com o que se preocupar. Marcela sai da sala e, logo em seguida, Marina recebe um telefonema, esse que lhe deixa completamente surpresa e abalada.

Em breve, continuação da fanfic. Beijos e voltem sempre! E não se esqueçam de votar ali ao lado sobre o destino da fanfic. :)

14 comentários:

Anônimo disse...

AAAAAAAAAH, que suspense foi deixado com a frase "Marina recebe um telefonema, esse que lhe deixa completamente surpresa e abalada" ;x
Tem previsão de saída já pra parte 8?

Anônimo disse...

Gente, ficou muuuuito boa essa parte, amei! Só acho que poderia ser maior um pouco, quando a gente começa a ler vai dando mais vontade, e quando menos se espera, acaba :/ é possível?
Parabéns à criadora da fanfic, são ótimas.

Anônimo disse...

Oi Anônimo vc é incrivel estou aguardado anciosa a parte oito bjs.

Laryssa Myllene disse...

Essa Parte ficoou Incrivél, e já com gosto de quero mais rs .PARABÉEEEEENS!!

Anônimo disse...

Queria saber quando a oitava fan-fic vai estar pronta e vc deveria fazer muito maior por que quando agente ler da mais vontade e principalmente quando a marina e a marcela converssan.

Anônimo disse...

A fan-fic ñ deveria acabar é a coisa que eu mais gosto no site assim como os videos.eu quero mais mais e mais.

Brasil Sem Preconceito on 11 de janeiro de 2012 19:57 disse...

Oi pessoal, fico feliz que tenham gostado desta parte! Faço a fanfic com dedicação e muito carinho, acreditem. Quero explicar também que não é fácil escrever, administrar a página do facebook, baixar e editar os vídeos do youtube, além do montão de coisas que eu preciso administrar na minha própria vida, pois estou realizando cursos intensivos que retiram a minha tarde e parte da noite inteiras durante toda a semana, além de pagar contas, administrar todas as coisas que tenho que fazer (e são muitas, acreditem), além de, obviamente, ter que dar atenção à minha namorada, à minha família... Não é nem um pouco fácil conciliar o tempo para realizar tantas tarefas e às vezes não dá nem pra respirar! UFA! E aí acabo escrevendo, diversas vezes, na madrugada, e acordo literalmente acabada. O pouco que escrevo já é cansativo fisicamente pelo número de coisas que tenho que fazer, e, obviamente, me dá muito prazer, e eu gostaria de ter mais tempo para me dedicar a isso, mas infelizmente há muitas outras prioridades na frente, por isso peço que tenham mais paciência com a história. É enorme a felicidade que sinto vendo que estão gostando e pedindo mais histórias, mas infelizmente nem tudo é como nós queremos, por isso peço compreensão aos que pedem para que eu faça partes maiores e escreva mais rápido. Grande beijo em todos vocês e espero que continuem por aqui, conferindo a continuação da fanfic, e agradeço às pessoas que ajudaram a decidir até onde escrever ali na votação ao lado. Fiquem todos bem!

Att,

Brasil Sem Preconceito.

Anônimo disse...

EU QUERO FAN-FIc MAIS, MAIS E MAIS adoooro...

Anônimo disse...

Quando sai a parte 8? *---*

Brasil Sem Preconceito on 13 de janeiro de 2012 11:14 disse...

Na segunda-feira sairá a parte 8, sem falta, pessoal! :)

Anônimo disse...

Eu acho que a fanfic deveria terminar com 10 partes, seria muuuito bom! :D

Anônimo disse...

Beleza! aguardaremso.

Anônimo disse...

Que decepção desse último capitulo de TS.

Anônimo disse...

Pois é, esperamos ver um final bom aqui nesse rede pra compensar.

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 

Visitantes Online

Quer nos seguir?

Brasil Sem Preconceito Copyright © 2011 Community is Designed by Brasil sem preconceito